segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

das certezas incertas

tudo tinha sido tão claro e óbvio, mas rafaela não acreditava mais naquela possibilidade. ela já passara por tudo aquilo outrora, mas não pensava mais ser possível: talvez, apenas não quisesse mais: talvez, tivesse passado por maltrato grande do universo e tal situação a afugentava. o destino, porém, mostrou que suas certezas e convicções eram itens não confiáveis. tudo o que ela sabia, ela deveria pensar que sabia. ao final, ela era sempre surpreendida, mesmo pelo mais corriqueiro dos corriqueiros fatos, mesmo pelo mais complexo dos complexos pensamentos. a razão se perdera, ela sabia. mas quem precisava de razão, rafaela indagava, quando o amor estava posto à mesa? 

Nenhum comentário: