domingo, 2 de outubro de 2011

something so Mary to rely on


madrugada fria, ela sozinha
um cigarro aceso e um medo
brisa úmida e tão rara

pra ouvir, apenas a natureza
num sentimento místico-urbano
os carros em alta velocidade na pista próxima
soavam como ondas no meio daquele plano inteiro

o som remontava ao que um dia já fora verdade
nesta imensidão solitária
com aquela brisa fumando o cigarro
ela pensava, sorria e, então,
libertava seu medo

com um sorriso sincero
um marejo gostoso
e um assopro ligeiro


Nenhum comentário: