quinta-feira, 16 de setembro de 2010

A chuva, o choro e o tentar entender.

Enquanto atravessava a rua, ele pensava em como abordá-lo. A curiosidade, com certeza, teria sido o principal motivo que o teria feito atravessar aquela rua em meio àquela chuva. E mesmo com a quantidade de água que despencava dos céus, ele só conseguir pensar em como abordá-lo. 

Ele, chorando, tentatava se recompor para que ninguém percebesse sua profunda dor. Já tinha se graduado em tentar entender, por isso não mais preocupava-se com isso. No meio da chuva, no meio da quantidade de água, ele observava que alguém se aproximava.

Ainda sem conseguir ter a certeza de que o que o outro realmente fazia era chorar, ele acabara enfrentando o despencar dos céus em suas costas e as formas de abordagem que passava em sua cabeça não mais faziam-se necessárias.

Sem saber nem como e nem porquê, o choro esvaira-se, a chuva intensificara-se e a quantidade de sensações que ele experimentara ali, àquela hora, não haviam sido compreendidas durante sua sofrida graduação.

- Por que você está chorando?, disse o primeiro enquanto o som do céu a cair abafava sua voz e a colocava num tom quase inaudível.
- Eu não sabia que precisava-se de um motivo para chorar, rispidamente o outro dirigiu-lhe a voz respondendo-o.
- Não é que seja necessário um motivo para se chorar, mas chorar sem motivo já não mais se configura uma situação dentro da lógica, divagou o primeiro.

O outro se virou, olhou para os céus, olhou para a quantidade de água, olhou para o primeiro e nada respondeu. Impaciente, o primeiro quis saber qual era o motivo pelo qual ele estava chorando e insistira na pergunta. Nenhuma resposta, novamente.

A água, a despencar do céu, não dava sequer um segundo de trégua. O primeiro, desesperado por uma resposta, quase vivendo o motivo alheio como o seu próprio, quisera entender. O outro, delicadamente, quebrara o silêncio.

- Sou graduado em tentar entender, mas não é o bastante jamais foi e penso eu pelas minhas experiências nunca será.
- Você é graduado em tentar entender o motivo pelo qual você está chorando?, intrigado o primeiro quis saber.
- Não. A questão é mais complicada. Eu sou graduado em tentar entender. E é só.

Nenhum comentário: