domingo, 24 de janeiro de 2010

A conexão.

Eu tive a experiência da conexão há pouco tempo. Foi uma coisa sensacional, lembro-me como se fosse hoje. Senti que tudo parecia mais vivo e até o tempo tinha, à sua forma, seu propósito vital. O respirar se tornara mais intenso, o caminhar mais físico e real e as confidências e o viver mais honestos.

O simulacro, hoje, encontra-se neste tão dissipado momento por causa da conexão. Eu, que nunca pensei fosse ser capaz viver além do simulacro, eu. E agora vivo. E agora submeto a pouquíssimas coisas utilizando-o. Mas, não sou capaz de menosprezá-lo, tendo em vista, principalmente, o quanto ele foi um grande amigo e o quanto foi realmente um pôr.

Algumas outras vezes na vida eu já tinha ouvido falar da conexão, da forma com que as pessoas interagiam, de como a vida era formada. Sempre achei bastante falso. Por vezes, falso até demais. E, talvez justamente por isso, sempre fiquei tão longe da real possibilidade de me ver no meio desta conexão. Dia desses, quando li dos dedos de alguém "a conexão não morre nunca", só me fez ter a certeza de que eu evitei a real possibilidade pelo tempo certo. Se não o tivesse feito, jamais teria tido a chance de ter me conectado tão verdadeiramente.

É um misto de inocência com sentimentos antagônicos em doses iguais e, talvez por este motivo, a conexão não morra nunca.

5 comentários:

Alan Darko disse...

Muito interessante o conceito de simulacro, muito verdadeiro o relato. Legal, eu acredito que a conexão se efetiva através de nossa natureza original.

Naiá Márjore disse...

O que seria de nós sem as conexões?
Muito original, esse tal "simulacro". Nunca tinha visto. Ainda vou ter que pesquisar um bocado para entender com precisão o seu conceito. Mas certas coisas vivem muito bem sem um conceito que as definam.

Quanto ao seu comentário misteriosamente desaparecido, trata-se de um mistério para mim também. Se você não tivesse aparecido no outro post e me contado, eu jamais saberia ao menos que você existe! E é maravilhoso saber que as pessoas existem! E é uma pena não saber o que você tinha comentado... rs

felipe nunes disse...

O simulacro às vezes dá espaço para o REAL literal e vivo.

Enxergar além é um exemplo. E isso tenho experimentado com certa frequência, sempre muito bem acompanhado.

E você? =D

carlosrechemberg disse...

Adoro o jeito que vc escreve!

Lucas Soares disse...

Alan, muito obrigado. Também acredito neste tipo de conexão e acredito também que ela se efetiva quando entramos em contato com o mais genuíno que há em nós. Isso faz com que a conexão transcenda aos limites que estamos acostumados a lidar.

Naiá, muito obrigado também. Passei por inúmeras loucuras e acabei por abandonar quase at all a leitura de blogs... e eu sempre gostei muito de blogs, de sair vagando por aí vendo que existe gente que pensa que escreve que busca que luta que vive. Fico feliz por encontrar mais um ser que vive também e você, pelo menos do que posso inferir a partir do blog, vive. Beijos.

Nunes, eu com certeza, meu amigo. A conexão, quando feita, é difícil de ser perdida... Esperemos que a nossa não se desmantele jamais.

Carlos, eu não sabia disso. Muito obrigado!