quarta-feira, 7 de outubro de 2009

A lack of color.

Se existisse uma palavra para definir o que estou sentindo, seria fácil explicar. Imagine alguma coisa parecida com ansiedade, adicione um bocado de estresse, pitadas de ódio e necessidades variadas, sortidas. É, é bem por aí. Hoje, ao acordar, pela péssima noite que tive, presumi que o dia seria como foi. Vago. Chato. Cansativo. Dias como este poderiam vir com um aviso. Você olharia o dia e veria a nota: dia chato, cansativo e vago. Então, você teria a opção de não vivê-lo. Daí você me vem com o blá-blá-blá & o blé-blé-blé de que toda experiência é válida. Certo, não discordo, mas ainda assim continuaria com minha opção e pularia dias como este.

Algumas pessoas não sabem seus lugares e, desculpa, mas não sou o tipo de ser humano que ensina, mostra ou aponta este tipo de coisa. Não mesmo. Ainda mais quando essas pessoas são, digamos, pretensiosas. Taí, a palavra exata. Sim, esta, pretensiosas. Fico feliz por ter conseguido crescer da forma que cresci, ou até melhor, fico feliz por enxergar o quanto pessoas, estas, pretensiosas, não valem a pena. Não vivem. Simulam. Fazem de suas vidas meros simulacros. Acham que são felizes, mas não são. Acham que sentimentos se compram. Mas, não se compram não. Não fico realmente feliz, feliz, no sentido literal da palavra. Mas, tenho dito. Eu fico nu aqui, no meu blog, através de palavras. Tenho dificuldades em me despir perante os outros. Alguns. E falo de nudez figurada, do mais íntimo do ser. As pessoas insistem em mostrar o quão vulneráveis e não confiáveis são. E enxergo, neste mundo que habitamos, situações cada vez piores. Infelizmente.

A chuva cai lá fora. Música que traz um clima nostálgico roda no player. Tô lendo John Fante e entrando de cabeça na história. Ainda bem que o dia está chegando ao fim, por mais pecado que seja pensar isso. Ou nisso. E que fique claro que o significado de pecado é totalmente por falta de outra palavra que, figuradamente, consiga dizer o que ela diz. Que venham outros dias. Se possível, melhores. Até.

Nenhum comentário: