segunda-feira, 20 de julho de 2009

Amigos

Eu poderia começar este post dizendo que eu amo todos os meus amigos. Mas não é suficiente. E existe uma razão pra isso. Eu tenho pouquíssimos amigos. Algumas pessoas se surpreenderiam comigo, pois pra mim, amizade, tem um conceito muito diferente do que para a maioria das pessoas.

Sempre tive poucos amigos. E tive pouquíssimos companheiros também. Porque, um amigo é companheiro, mas um companheiro nem sempre é um amigo, entende? E, confesso, sempre tive um pouco de carência neste assunto. Mas, é aquela velha história: preferia ficar sozinho a ter gente que não valia a pena comigo, mesmo que, por vezes, eu sentisse falta.

Ao longo dos anos fui realmente entendendo o que é ser amigo. Ser amigo é, de verdade, mais complexo e muito maior do que se pensa. Ser amigo é poder fazer parte de um jogo de olhares e palavras sem culpa, é entender e ser entendido com um gesto. É poder ficar naquele silêncio constrangedor sem ligar a mínima para tal fato. Ser um amigo de verdade é estar lá pro que realmente der e vier. Eu aprendi que ser amigo é poder passar dois dias, dois meses, dois anos sem um só contato e mesmo assim, quando acontece o encontro, o relacionamento é retomado do ponto onde parou.

Um dia desses, há uma semana mais ou menos, encontrei com um amigo que não via fazia 5 anos. E eu estava com uma grande amiga, que também, na época, era amiga deste cara. A gente ficou conversando por três horas e meia, seguidamente, sem um só momento de silêncio, compartilhando experiências, fatos. Foi muito gratificante desfazer a imagem que eu tinha dele, por exemplo. Porque, querendo ou não, quando nos afastamos das pessoas, vamos criando barreiras com o falatório das pessoas ou mesmo com particularidades que possam surgir em nossas próprias fucked minds. Enfim, quis somente defender o ponto de que, não importa o tempo: se a coisa realmente valer a pena, vai continuar coexistindo numa espécie de realidade paralela, protegido das maldades da vida.

O que acontece hoje em dia? Bom, hoje em dia a efemeridade das coisas estraga tudo. O mundo nessa megalomania de tudo, acaba fazendo com que as pessoas maximizem seus sentimentos e estendam estes mesmos sentimentos à pessoas que, na maioria das vezes, ou não conhecem ou não valem à pena. A velha história de cultivar amizades é muito válida. Cultivar uma amizade é muito mais satisfatório do que fazer dez pseudo-amizades (que é o que acontece na maior parte das vezes hoje em dia).

A pessoa gosta muito de sair, tem vários amigos de baladas, festas, shows e faz questão de anunciar ao mundo que é uma pessoa com vários amigos. Isso não é amizade. Pode sim existir alguma coisa verdadeira aí, uma ou outra amizade realmente válida, mas amizade é mais do que isso. Amizade é poder ser, além de tudo. Simplesmente ser, existir. É a mesma coisa que digo que a Clarice Lispector fala sobre: sobre ser, apesar de.

Tenho sim poucos amigos, mas dou muito valor a todos eles. E infelizmente, digo infelizmente mesmo, sei que existem alguns amigos presos no que falei ser realidade paralela. E isso é pelo fato de que eu fiz algumas escolhas na vida que não condizem mais com alguns eus que eu já fui. Mas sei que nossa amizade está protegida nesta realidade, coexistindo, mesmo que na prática e na realidade que atuamos ela não mais exista.

Feliz dia dos amigos.

9 comentários:

Lika disse...

meu amigo!

e isso diz tanto...

T. Berkowitz disse...

tenho um puta orgulho de te ter como amigo! você não faz idéia o quanto!

não consigo ver como seria se eu não tivesse mais você na minha vida. juro.

peça importante e fundamental pra minha vidinha <3

Lucas Soares disse...

porra, dois dos nomes essenciais da minha vida dizendo coisas que eu diria, se não ficasse tão prolixo.

amo tanto.

Ana Luiza disse...

É, eu penso exatamente o mesmo! Também sou super seletiva em relação às pessoas com quem eu ando e às que são, de verdade, minhas amigas. E muitas delas acabaram indo embora para longe de mim, por conta da faculdade, se mudando para outras cidades... é triste, eu morro de saudades :~ Mas nos poucos dias que ficamos juntas, depois de meses longe, prova que nada muda nesse tempo todo. É como você disse mesmo, uma espécie de realidade paralela que mantém tudo igual :) Ainda bem, né?
Feliz dia do amigo, Lucas! Tenho certeza que você seria uma das pessoas que, caso eu tivesse a oportunidade de conhecer pessoalmente, iria adorar muito! auheaueh Beeeijo, bonito :* E feliz dia dos amigos para os seus também ;)

marianaflower disse...

Hey you..Como sempre amei todas tuas colocações.Amizade é coisa muita séria e importante pra confortar nossos devaneios,loucuras,tristezas e alegrias...Sabia q sou feliz por tê-lo encontrado no acaso do mundo musical(graças a radiohead e Zeca Camargo tbém q nos apresentou,uia,hehehe)!!E volta logo p Bsb hein..bjkas e energias positivas sempre querido!!

Aíla disse...

É bem verdade isso de que, mesmo com anos de distância, quando amigos de verdade se encontram, parece que se viram há pouquíssimo tempo, que resguardaram esses encontros das mudanças que foram chegando :)
Gostei do blog. Bom dia dos amigos.

Felipe Nunes disse...

Mais uma vez um texto coerente, bem amarrado e de fácil compreensão. [leia com a voz de algum professor]

Cara, uma das melhores coisas que me aconteceu esse ano foi ter entrado naquela sala e poder conhecer uma pessoa como você.
Te admiro paracaralho mesmo com o pouco temos que temos de convivência, mas com você [e com o maluco do weslley] já compartilhei momentos que eu levarei sempre comigo, e espero que nossa amizade me acompanhe por muito e muito tempo, seja aqui em Brasília ou em São Paulo. ;)

:~~

Aíla disse...

Aah, muito obrigada, posso dizer a mesma coisa do seu, sério :)
Quanto à perna de Roberto, eu tbm fiquei muito espantada quando soube, tenho de admitir que fiquei feliz de não estar sozinha huwhsu :)
Beijo C:

Juh disse...

lindo, luke.