quarta-feira, 26 de março de 2008

OLHAR

O ofício anda roubando-me o tempo que outrora me dedicava a escrever. Mas, isso não é desculpa. Encontrava tempo para falar do tempo, para explicar a falta de foco, pra tentar argumentar contra certos debates internos. Pra tentar exteriorizar certos sentimentos. Pra tentar encobrir outros. Apenas encontrava tempo, mesmo não o tendo. E aqui estou eu, aproveitando de tempo. De tempo que deveria estar sendo usado para uma leitura obrigatória – novamente digo que o ofício me chama. Talvez não ande conseguindo mais me ater às minhas analogias e metáforas por, finalmente, estar conseguindo focar minha mente a meu redor, ao invés de focá-la somente em mim mesmo. Algumas questões que outrora me importunavam já não me são pertinentes, assim como certas dúvidas sem muito esforço foram sanadas. Volto a indagar a mutação que o ser humano é acometido. Vejo que, a cada dia, a metamorfose nos é necessária. Não sou o mesmo de dois segundos atrás, assim como não sou jamais quem fui há dois meses. Indago a minha própria mutação: necessária? Talvez seja, simples assim. Encontro-me com uma manga repleta de respostas – anseios antigos resolvidos – e com uma outra parcela de novas divergências – tanto internas quanto externas. Sinto-me feliz, carente de mundo, de importância. De afeto. Mas, feliz.

2 comentários:

x mah disse...

LUUUUUUUUUUUUUUUKE!
ai que saudades de vim aqui *-*

lembrei muito de voce
escuta só... loquei aquele filme da vida secreta das palavras!
putz luke, que filme lindooo!
adorei adorei, e claro que lembrei de voce que disse muito dele!

enfiiiiiiiim, espero que esteja tudo bem, que esteja tudo certo na faculdade e tudo mais.
sinto saudades tá?
liiiiiiindo <3333

Joana disse...

é, o cruel tempo (ou falta de) que me separada da arte de escrever.
vejo que não sou a única.